Oito mulheres formalizam denúncia por assédio sexual contra Marcius Melhem

Assédio Sexual no Trabalho
janeiro 20, 2021
Assédio sexual, um tema atual há 20 anos
fevereiro 2, 2021

Promotora deve recomendar abertura de inquérito contra o humorista

Oito mulheres formalizaram denúncia por assédio sexual contra o ex-diretor da TV Globo Marcius Melhem. A promotora Gabriela Manssur, da Ouvidoria das Mulheres do Conselho Nacional do Ministério Público, deve encaminhar a promotores do Rio os depoimentos, recomendando a abertura de um inquérito criminal para investigar o humorista.

Segundo a coluna de Mônica Bergamo na Folha de S. Paulo, a promotora também vai recomendar adoção de medidas cautelares, como proibir Melhem de se aproximar das mulheres que o denunciaram. Também pode recomendar que ele seja proibido de divulgar as mensagens que trocou com elas, orientando que a investigação corra sob sigilo.

Em nota, a defesa do humorista diz que “o encaminhamento dos relatos ao Ministério Público do Rio de Janeiro é um passo natural dentro do rito judiciário” e que Marcius pede desde o início que a apuração aconteça onde deve ser feita: na Justiça. “Só lamentamos que isso tenha sido feito a nosso pedido e depois da tentativa de julgamento apenas na opinião pública. Melhem coloca à disposição da justiça toda sua comunicação, telefônica ou digital, periciada e sem restrições. Importante que todos saibam de verdade como as relações se davam e a responsabilidade de cada um. Que tudo seja esclarecido”, finaliza o texto.


Denúncias e processo

Em dezembro de 2019 começaram a surgir as primeiras denúncias de que Melhem teria assediado moralmente atrizes do núcleo de humor da Globo, do qual era coordenador. Em outubro do ano passado, a advogaad Mayra Cotta, representando mulheres que acusam Melhem, disse que ele “atuou de forma violenta com várias mulheres”. A reportagem da piauí mostrou que Melhem teria assediado moral e sexualmente Dani Calabresa.

Neste mês, Melhem protocolou na Justiça de São Paulo uma ação de indenização por danos morais e materiais contra Daniella Giusti, conhecida como Dani Calabresa. Na ação, Melhem pede também que a atriz seja obrigada a fazer uma retratação publica por “fatos inverídicos por ela divulgados ou corroborados por meio da mídia”.

A indenização pedida é de R$ 200 mil por danos morais. Segundo os advogados de Melhem, o valor será usado para doação à Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD). A retratação, pede o ator, deve ser feita nas redes sociais da atriz e “perante a revista piauí”. A publicação fez grande reportagem sobre as denúncias contra Melhem.

Os advogados pedem ainda que Calabresa pague o tratamento psiquiátrico de Melhem até que ele tenha alta médica, além de ressarcir os custos que ele teve ao longo do processo, com valores corrigidos. Com tudo isso, o valor pedido passa para R$ 246,4 mil.

Trecho do pedido diz que Melhem “não teve contra si processo que comprovasse o assédio”. Mesmo assim, ele agora é visto como “persona non grata”, foi “alijado da vida profissional” e teve “nome, imagem e honra vilipendiados” naciolmanete, alegam os defensores. “Padece de sofrimento psíquico, restando submetido a custoso tratamento psiquiátrico”. A ação tem cerca de 60 páginas e inclui prints de mensagens trocadas entre Melhem e Calabresa, na tentativa de provar que tinham uma relação afetuosa.

Dani Calabresa afirmou que não vai comentar a ação.

O ILADEM completará quatro anos realizando a campanha #EUDIGONÃO AO ASSÉDIO SEXUAL NO TRABALHO”, já são mais de 150 palestras e eventos ministrados de forma gratuita, tudo com o intuito de fortalecer a consciência empresarial, estimular a “CONSCIÊNCIA” das empresas sobre a sua responsabilidade social.

Entre em contato conosco e faça parte da campanha, participe!

A mudança começa por VOCÊ!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *